Pão e Circo, é tudo que o povo quer.

A gente adora falar mal do governo e da justiça nacional, que ele rouba aqui, que ele não faz ali, que não tem educação, não tem saúde, etc…

O lance é que esquecemos a TAMANHA IGNORÂNCIA do povo brasileiro. É isso aí… Há algumas semanas foi decretado, pela justiça, que Aracati (litoral do Ceará) não teria Carnaval, pois não havia como gastar 2,2 MILHÕES em festa sem que antes fossem feitas adequações no hospital local, já que este estava sem estrutura para receber pacientes. (Ai eu pensei: pô, uma atitude racional vindo da justiça. )

Acontece que… O povo saiu nas ruas, pedindo carnaval e ameaçando quebrar tudo caso o carnaval fosse cancelado. Ou seja, quando a justiça resolve tomar uma atitude decente, o povo acha errado.

Por isso que eu digo que o povo tem o país que merece. A mediocridade é tanta que as pessoas continuam felizes com a política, adotada na Roma antiga, do pão e circo (e põe circo e palhaçada nisso). Funciona ssim: Dá carnaval, com bastante mulher pelada, bastante baixaria, libera a cerveja, e, durante o ano, da qualquer dinheiro pro povo poder comer…  Com isso, o povo, satisfeito, esquece de exigir educação, saúde e  outros direitos básicos.

Pois é…

Beijoss =)

Anúncios

Entrevista – Unidade Coletiva

Então galera, a partir de agora, entre um post e outro, vou estar postando entrevistas com bandas independentes e boas, claro.

Acho importante a valorização de trabalhos que são bem feitos desde o começo. Pra começar… vamos de Unidade.

…………..

 

Levei um papo super positivo com a banda carioca  Unidade Coletiva: Mari (vocal); Henrique (guitarra); Alex (guitarra); Luiz (baixo); Erick (bateria). Confere aí.

Raquel Amapos: Quando e como começou a Unidade? 

Unidade Coletiva: Além de todos da banda serem apaixonados por música, a idéia da banda começou mesmo com a sobra de pensamentos e opiniões que estavam pedindo para sair de nossas mentes. Começamos a escrever, mas como o Brasil é um país que culturalmente o povo não gosta de ler, resolvemos então falar, mas em forma de música. Eu ( Henrique ) e Luiz começamos fazendo um reggaes, depois chegou o Alex e a Mari e por fim o Erick pra completar o Elenco.

R.A: Como vocês chegaram ao nome da banda? 

U.C.: Na verdade é uma mistura de pensamentos. Lendo umas idéias budistas, o Luiz reparou em alguns lances muito interessantes, o lance de cada ser estar inserido em outro ser, o da consciência coletiva, o da unidade pelo todo, aí ficou Unidade Coletiva, que sintetiza tudo isso de Um pelo todo.

R.A: Qual a principal idéia que a banda propaga? 

U.C: Propagamos a paz, o respeito, tudo isso focado num ideal de simplicidade, ao desapego as coisas superficiais, além do engajamento pela justiça e liberdade, fazendo com que todos se sintam cada vez mais iguais, afinal, a raça é única.

R.A: Quais as maiores influencias musicais pra banda? O que vocês têm escutado ultimamente? 

 U.C: Sempre fomos influenciados mais pelo Reggae e hardcore, daí essa miscigenação musical, tendo como resultado na melodia algo parecido com Dub, tendo também uma afinidade com o Ska do Paralamas do Sucesso. Agora no que diz respeito a um todo, nós não nos prendemos a estilos não, ouvimos tudo e logo somos influenciados por tudo, Eu (Henrique) e Luiz curtimos muito um Rap do Emicida, DeLeve, o Maracatu do Nação Zumbi, o Rock do Rancore, o reggae do Ponto de equilíbrio. A Mari curte Rihanna, Detonautas. O Erick e o Alex Nando Reis, Dibob, mas em questão de influência o Forfun tem uma boa parcela afinal crescemos ouvindo e indo a shows deles.

R.A: Vocês tem previsão para lançamento de Cd?? 

U.C: CD não, porque somos pobres e não temos dinheiro e nem ninguém pra investir. Mas nosso EP está pra ser lançado início de 2011, já estamos começando a pré produção e logo passaremos para a gravação.

R.A: Muitas bandas sentem bastante dificuldade de arranjar shows em começo de carreira, como tem sido pra vocês?

U.C:  Isso é com certeza uma realidade triste do cenário brasileiro, hoje em dia o lucro está sempre sobre a paixão, e isso vem da ganância do produtor do evento que ganha em cima de bandas pequenas, que não sabem o quanto elas são essências para o produtor, que vende algo que não se pode vender, e serve também como barreira para muita banda boa.Conheço muita banda boa que hoje em dia pra tocar tem que pagar, e isso é resultado da sede por lucro de alguns produtores, mas felizmente ainda coexistem pessoas boas que fazem isso não por lucro mas sim por paixão, pois o lucro é conseqüência. E nós infelizmente estamos dentro desse sistema.

R.A: como é o lance de composição das músicas?  

U.C: Eu (Henrique) e Luiz temos uma grande parceria, nossos pensamentos são bem parecidos e conseguimos, muito harmonicamente fazer música juntos, mas além disso o Alex sempre vem com umas idéias muito maneiras e a Mari tem umas composições também, com a inspiração sempre imensa, incomensurável e imponente da natureza, nossas musicas estão muito ligadas a paisagens e a simplicidade de viver

 

R.A.: como é ser a única garota na banda? Como é a relação entre vocês?

U.C.: A sempre me perguntam isso, se eu não me incomodo de ser a única garota da banda, e eu acho super normal temos lá nossas discussões que são bobas, mas nada
que abale, somos amigos, e acho que hoje em dia podemos dizer que um “depende” do outro na banda.

R.A: Um dos assuntos mais polêmicos atualmente, principalmente entre o público de bandas com uma pegada reggae, é a liberação da maconha. Qual a opinião de vocês?

U.C.: A liberação da maconha é uma solução, mas junto a ela tem que vir um plano de política publica, já foi comprovado os benefícios e os malefícios do uso da maconha, cabe as pessoas ter a consciência. Em outros países já descriminalizaram, mas a nossa policia é repressora, o que é apenas mascara de um sistema opressor onde só deve ser consumido o que ele te oferece, engraçado que propaganda de bebida é tão explicita, e no que diz respeito ao efeito pelo uso, ambas são classificadas como psicotrópicas.

R.A: Sabendo que a compra da maconha, quando proibida, gera lucro aos políticos e mata inocentes. O que vocês acham dos usuários que ignoram esses fatos, para terem apenas um “prazer”, já que dizem que a maconha não gera dependência?

  U.C.: Acredito que seja uma visão deturpada do assunto, afinal existem diversas atitudes que matam os inocentes. O que deveria ser investigado mesmo não é a procedência do consumidor, e sim a procedência de onde vem essas armas que matam os inocentes, e quem lucra com essa morte dos inocentes, esse sim é um caso de estranho prazer.

R.A:  O que vem ocorrendo no Rio hoje, é uma famosa “guerra pela paz e pelo fim do tráfico”, como dizem os políticos. Vocês  acham que políticos possuem  intenção em acabar com o tráfico?

U.C: Primeiramente usando uma citação do B. Negão “Paz não se pede, paz se conquista, e não será com guerra”. Eu acredito que nunca vai se atingir a paz contra a guerra. Sou contra qualquer tipo de guerra, não existe uma guerra nobre, o que existe é uma defasagem do estado, que ao invés de reprimir, oprime ao invés de dar sustento para uma boa vida aos cidadãos, dá uma ilusão de “vida perfeita” na televisão e na realidade é totalmente ao contrário. E quem lucra com isso? Eu? Você? Acho que não, afinal com essa onda de violência o povo é imposto a uma situação de caos, e agora quem vai lucrar é a indústria do medo, que vende a paz com a etiqueta da guerra, as conseqüências infelizmente eu não tenho capacidade alguma de imaginar, afinal uma realidade não se muda de um dia para o outro.

R.A: A guerra no Rio vem causando bastante polêmica. Ouvimos muita gente desejando pena de morte e tortura aos traficantes. O que vocês pensam sobre isso?

U.C: Pois é, estou vendo muitas frases do tipo :” Bope tinha que chegar matando todos os bandidos”, ” bandido bom é bandido morto” , mas é muito sério o que está acontecendo e parece que ninguém pensa antes de falar qualquer coisa. Deve ser porque a mídia vem falar que a vida é uma competição, e o pior é ver as pessoas acreditarem, e competirem mesmo todo mundo como se fossem inimigos, mas somos todos irmãos; o real inimigo é o concentrador de renda. As pessoas que falam isso estão querendo transformar o Rio em um democracídio. Frases como essas que eu citei me lembram o que Hitler falava. Mas a verdade é que ninguém nasce bandido, os direitos básicos de educação e de instrução dessas pessoas foram cortados desde pequenos pelo Estado que não oferece uma boa estrutura.. Eu acho tudo isso um absurdo, pra mim, é muito triste ler tanta pregação de massacre impostos pela a própria sociedade

R.A.: Sobre a idéia de que a população vem sendo completamente influenciada e manipulada pela mídia sobre diversos fatores como música, política, opinião. Qual a opinião de vocês? Vocês concordam com essa idéia?

U.C.: Isso é um panorama bem crítico afinal os meios de comunicação vem se tornando uma imensa lavagem cerebral, ocupando nossas mentes com futilidades e deixando de lado as prioridades, se Karl Markx vivesse nos tempos de hoje, ele não diria que a religião é ópio do povo, mas sim a televisão, que nos prega valores totalmente supérfluos, tornando necessário bens desnecessários, porém nenhuma realidade é tão intensa que não possa ser modificada ainda existem artistas, políticos entre outros que fazem o bem, e fogem a essa alienação.

R.A.: Bom… Podem ficar a vontade pra deixar uma mensagem pra galera.

 Unidade Coletiva: Olá pessoal, espero que tudo que nós falamos, mesmo que vocês não concordem, tenha servido de alguma forma pra vocês. Estamos agora começando a gravação do nosso primeiro EP, então mandem muita energia boa pra gente, pois tudo que vai, volta. Um beijo pra Raquel e pra todos que leram, com muita humildade, Mari, Luiz, Henrique, Alex e Erick – Unidade Coletiva.

Mais da UNIDADE:
 

Youtube

Fotolog

@UnidadeColetiva

 Espero que tenham curtido!

BEIJOS =)

 

 
 
 

 

 
  


 

Mais que preconceito….

Muito mais que Preconceito…

… Uma demonstração de nossa inferioridade.

Uma não. Várias demonstrações.

Xingamentos desumanos e atos de xenofobia, foram resultados da Eleição  de Dilma Rousseff ao cargo de presidente da República. O alvo? Norte/Nordeste brasileiro.

Mensagens como:

Faça um favor para o nosso país: mate um nordestino

O #nordeste é um lugar onde nós, pessoas brancas de classe média alta, vamos fazer turismo sexual comendo umas baianinhas vagabundas

 

A primeira coisa que pensei após ler isso foi: Aonde vamos  parar?

A estudante de direito, Mayara, autora da primeira frase citada acima, se revoltou pelo fato de achar que o Nordeste foi o responsável pela eleição de Dilma. O fato é que, pelo que pesquisei, o Nordeste ajudou, sim, mas entre os paulista, Dilma teve uma quantia de votos significativa e ganhou no Rio de Janeiro e em Minas.

Sinceramente, sou paulista e me indignou o fato do Tiririca ter recebido tantos votos. Mas isso não vem ao caso.

O que vem ao caso, é que estamos vivemos em um mundinho egocêntrico.          As pessoas já não sabem mais respeitar, muito menos amar o próximo;

O que está sendo feito não é engraçado, e também não vai fazer com que paulistas, cariocas e cia. sintam-se superiores.

Será que essas pessoas realmente acreditam no Determinismo Geográfico (concepção segundo a qual o meio ambiente define ou influencia fortemente a fisiologia e a psicologia humana. Filosofia que foi utilizada por Hitler para que os Alemães se sentissem superiores) ?                                                                                                          Será que as pessoas realmente acham que pelo fato de serem do Sudeste, elas são mais bem preparadas intelectualmente?                                                                                                                                           Será que realmente acreditam que pelo fato de uma pessoa nascer no Nordeste, ela vai ser uma “vagabunda”, como foi citado?                                                                                                                                               Pelo amor de Deus, estamos no séc. XXI e as pessoas ainda não ampliaram seus horizontes. 

Gente….  em qualquer lugar de uma cidade, estado, pais… Em qualquer lugar do MUNDO, nós seremos iguais: seres hipócritas, egoístas,  muito preconceituosos e em busca da evolução.                                                                                                              Em todo lugar, encontraremos pessoas interessantes e pessoa tediosas, materialistas e desapegadas,  felizes e tristes…

Parece  que as pessoas ficam buscando algo para que possam xingar  e violentar verbalmente pela internet, como se isso fosse um hobby. E com isso, elas demonstram que ignorantes não são aqueles que sofrem a violência verbal, mas sim aqueles que a fazem.

E a minha conclusão foi que:

 O ser humano precisa urgentemente aprender a SER HUMANO.

Beijos

obs: Xenofobia, é caracterizado pelo preconceito com estrangeiros, mas esse caso pode ser considerado xenofobia, por ser um preconceito cultural.

REVOLTANTE! Isso sim.

MAS É UMA PUTA FALTA DE SACANAGEM!!!

Eu votaria nele….sério.

Cadê a graça??? A graça é que foi formulada uma lei que proíbe o humor político   A lei 9.504/97 está servindo  para calar  os humorista de televisão.  No seu artigo 45, a lei 9.504/97 as emissoras são proibidas de fazerem piada ou ridicularizarem o “candidato”, quem a descumprir está sujeito a multa de até R$ 106 mil, que dobra em caso de reincidência.
Ou seja, para fazer humor político, agora é necessário que seja criado um personagem fictício.

¬¬´Aí a gente pergunta: “Ué… mas essa budega não era uma democracia??” ¬¬ Haha.. bem vinda a nova era… a era onde a política é um circo onde ninguém pode rir.

Pra quem já estava desacreditado, essa foi a gota d’água.  Se as pessoas permitirem aplicação de lei como essas, a situação só tende a piorar. Aí a Dilma pode voltar a assaltar bancos quando a ditadura for reaplicada =D

Postei o vídeo, para vocês poderem já ter uma noção de como tão sacaneando.

Mulher pêra??? hãã pra abrir bailes funk no brasil?? não não brigada ;D

Tiririca?? ….. acho melhor não comentar

KLB?? Hello! Ninguém vai tirar o cd de vocês da gaveta porque lembrou que vocês existem ¬¬’

***

Quando eu era mais nova, dizia que com dezesseis anos eu tiraria meu título de eleitor e votaria conscientemente.

Então, a hora está chegando, vou fazer dezesseis anos, mas agora eh tudo diferente. Sinceramente não sinto a menor vontade de ser uma eleitora. Estou cada vez mais desacreditada com a política e realmente não acho que vou estar deixando de ser cidadã, pelo fato de não querer votar. Os corruptos que estão no poder sim, é que não são cidadãos .

Então… decidi que só vou votar quando for obrigada a isso. E votarei conscientemente, sim, votarei nulo -como bem disse PH –  http://paulohamaral.wordpress.com

BEIJOS…. e vote no Bozo \o/